Sugestões de pesquisa
    Sugestões de produtos
      0 ITENS
      Itens no carrinho
      Total:
      Fechar Pedido

      Sensor de pH combinado universal - SC09

      Ref: SC09
      Avalie este produto

      Eletrodo combinado universal. Medições laboratoriais padrão, onde prevaleçam condições normais de temperatura e pressão. Muito utilizado em ensaios de rotina e em medições com grande numero de ensaios. Ideal para institutos de ensino, escolas e universidades.

      R$ 310,50
      5x de R$ 62,10 sem juros
      Digite seu CEP:
      Quantidade
      No momento a quantidade solicitada não esta disponível em estoque
      Frete grátis para: Todo o Brasil
      Quem comprou, também comprou
      Sensor de pH combinado universal - SC09
      R$ 310,50
      • Descrição
      • Limpeza
      • Manutenção
      • Condições a evitar
      • Sensores de pH

      Sensor de pH combinado universal - SC09

      Eletrodo combinado universal. Medições laboratoriais padrão, onde prevaleçam condições normais de temperatura e pressão. Muito utilizado em ensaios de rotina e em medições com grande numero de ensaios. Ideal para institutos de ensino, escolas e universidades.

      Depósito de sais: dissolva os depósitos imergindo o eletrodo em água limpa por 10 a 15 minutos.

      Óleos e graxas: cuidadosamente lave o bulbo do eletrodo com detergente de pH neutro biodegradável e água até que toda gordura seja removida.

      Junção de referência entupida por ressecamento de sal: aqueça uma solução de KCL 3 mol (SSE02). até no máximo 50ºC e mantenha o sensor imergido por até 10 minutos. Deixe o eletrodo esfriar naturalmente.

      Junção de referência contaminada: usar solução de Thioureia (SSL02). Deixe o eletrodo imerso na solução por 30 minutos.

      Depósitos de Proteínas: usar solução de Pepsina (SSL01). Deixe o eletrodo na solução no máximo entre 5 e 10 minutos.

      Slope inferior a 95%: para os eletrodos “recarregáveis” – Remover o eletrólito interno através do orifício de recarga, com o auxilio de uma seringa. Enxaguar a peça, internamente, com água deionizada por 3 vezes. Com o sistema de referência interno limpo, preencher o sensor com um novo eletrólito interno (SSE01, SSE02 ou SSE05). Este procedimento também deve ser repetido por 3 vezes antes do uso.

      Após cada um dos procedimentos indicados acima, enxaguar a peça com água deionizada em abundancia, seca-la com cuidado utilizando papel toalha absorvente e deixar o eletrodo em repouso na sua solução de acondicionamento por 24 hs.

      Os procedimentos acima podem não ser suficientes para restauração da qualidade de medição de um sensor e tal ineficiência não é considerada como defeito passível de garantia.

      Os sensores analíticos em geral necessitam de manutenção periódica para assegurar a qualidade de suas leituras e estender sua vida útil.

      Manter o eletrodo, sempre que fora de uso, imerso na solução de acondicionamento é a principal delas. Seguem indicações:

      •   Sensores de pH, referência ou ORP com eletrólito interno de KCl 3 mol/AgCl - solução de acondicionamento KCL 3 mol (SSE02).

      •   Sensores de pH ou referência com eletrólito interno de KNO³ - solução de acondicionamento KNO³ (SSE05).

      •   Sensores de pH para álcool, com eletrólito interno de LiCl 2mol. – solução de acondicionamento LiCl 2 mol em etanol (SSE01).

      •   Células de Condutividade, para todas as constantes – usar água deionizada.
       

      Manter o nível do eletrólito interno sempre próximo ao orifício de preenchimento.

      Sensores blindados não necessitam preenchimento do eletrólito interno.

      Usar sempre o eletrólito interno, recomentado pelo fabricante.

      Após o uso, lavar o sensor com água deionizada para remover possíveis incrustações que possam se depositar no mesmo.

      Remover o eletrólito interno, sempre que o sensor apresentar slope inferior a 95%, ou ainda, quando for utilizado em sistemas muito agressivos ou contaminados.

       


       

      Sempre que for retirar o frasco com a solução de armazenamento de seu sensor, desrosquear por completo a tampa do mesmo;

      Tenha bastante cuidado ao manusear seu sensor analítico, ele é construído em vidro e possui partes, como o bulbo, que são muito sensíveis a ação mecânica. Uma batida no fundo de um copo Becker, por exemplo, é o suficiente para danificar a peça;

      Nunca raspe ou lixe a superfície do vidro (bulbo) do eletrodo;

      Não deixe seu sensor (pH, ORP ou condutividade) fora da solução de armazenamento por período superior a 6 horas. Este procedimento poderá comprometer a velocidade de resposta da peça ou ainda inutiliza-la;

      Nunca armazene seu sensor de pH ou ORP em água deionizada. Respeite a recomendação de solução de armazenamento para tipo de sensor de pH, referência e ORP; Apenas células de condutividade devem ser acondicionadas em água deionizada;

      Incrustações na superfície do vidro (bulbo) ou em seu sistema de referência (junções de cerâmica), impedirão que seja realizada uma leitura correta;

      Evite condições extremas, sempre que possível, e fique atento às limitações de uso especificas de cada modelo de sensor que você está utilizando. Temperaturas elevadas, assim como medições constantes em ácidos fortes ou soluções cáusticas, diminuem a vida útil do sensor;

      Nunca exponha o eletrodo a temperaturas abaixo de -12 ºC.

      Em 1909, o fundador do conceito moderno de pH, o bioquímico dinamarquês S.P.L. Sorensen, comprovou que o pH é essencial para diversos processos enzimáticos.

      Ficou claro que, assim como as reações químicas das indústrias e laboratórios, muitos processos na natureza são dependentes do pH. Um exemplo disto é a clivagem da cana de açúcar usando invertase.

      O pH também influência na pigmentação de certos corantes. No caso de algumas plantas, o mesmo cloreto de cianidina que dá o tom azul a uma espécie de flor, é responsável pela cor vermelha das rosas. Isso ocorre porque o cloreto de cianidina é azul em um pH elevado, e vermelho em pH baixo. É essencial, no que diz respeito aos organismos vivos, que os fluidos biológicos sejam mantidos dentro de uma faixa estreita de pH.

      A desinfecção da água de piscinas pode ser realizada utilizando-se um composto clorado. No entanto, para garantir a eficácia ideal do cloro e evitar que os olhos fiquem irritados, o pH da água deve estar em um determinado valor específico.

      Em banhos galvânicos, para que tenhamos qualidade e eficiência, é extremamente importante que o pH esteja correto. O pH também desempenha um papel essencial, quando os metais residuais destes banhos galvânicos se precipitam na água.

      Escolha o modelo ou o tipo de aplicação e conheça algumas soluções desenvolvidas pela Sensoglass na determinação de pH.

      • SEGURANÇA
      Layout&Cia Plataforma de e-commerce